Cidade
 Mato Grosso
 Brasil
  Sociaedade
 Curiosidade
 Polícia
 Política
 Justiça
 Variedades
 Esporte
 Coluna
 Opinião
 Artigo

Newsletter
Nome:
<

Email:

Parcerias

Denúncias

  Júlio classifica eleição ao Senado como “esdrúxula”, prevê várias candidaturas e quer vaga para Cuiabá  
  29/01/2020 - 15:45  
 O partido quer ter o seu crescimento. Cada partido quer sua candidatura. É uma eleição esdrúxula, onde cada partido quer ter o seu espaço. 
O Documento

 “O partido quer ter o seu crescimento. Cada partido quer sua candidatura. É uma eleição esdrúxula, onde cada partido quer ter o seu espaço. E após essa eleição nós vamos começar a se reunir com foco nas eleições municipais”, disse o ex-governador Júlio José de Campos, líder histórico do Democratas no Estado, durante a inauguração do COT da UFMT.

Segundo Júlio Campos, “o pessoal do agronegócio está mobilizando força para ter um candidato, o segmento trabalhista e sindical tem vários candidatos que vão surgir. O pessoal do Procon está pensando o nome da Gisela Simona, enfim, vai ser uma eleição diferente”, opinou.

Conforme o ex-governador, a eleição suplementar não estava prevista para este ano. “Primeiro que não estava prevista, ninguém esperava a cassação do mandato da senadora Selma ser tão rápido como foi. E segundo que, agora, os partidos querem se afirmar e todo partido só cresce se disputar eleição”, disse. Segundo Júlio Campos, “até pessoas que não têm condições mínimas de ser vereador querem disputar o Senado para marcar presença”, disse.

 
“Cada partido defende o seu crescimento. O PSD do Fávaro quer a candidatura dele. O Democratas de Júlio Campos e Mauro Mendes quer ter um candidato, seja Júlio Campos ou outro. O PDT quer indicar o vice-governador Pivetta, que tem mandato até 2022. É uma eleição esdrúxula, em que cada partido quer ter seu espaço e após a eleição de senador nós vamos grudar na eleição de prefeitos e vereadores por todo Mato Grosso. A partir de abril, eleito o novo senador, nós vamos começar a nos reunir focando nas eleições municipais”, observou.

O ex-governador de Mato Grosso entende que a vaga da senadora deva ser preenchida por alguém de Cuiabá. “O interior hoje já está representado com Wellington, em Rondonópolis, e Jaime Campos, de Várzea Grande. Então temos que ter alguém de Cuiabá”, afirmou.

“Eu me apresentei como pré-candidato. Queremos que o governador fique cavalheiro neste momento, sem nenhuma obrigatoriedade em apoiar um candidato do partido. O recomendável, numa eleição que não era prevista, é que ele fique neutro”, disse.



Fonte: O Documento



Compartilhe essa notícia



Comentários ( 0 )

Notícia sem comentários.
Faça seu comentário agora.
 
Sua empresa ainda não tem site? clique aqui